segunda-feira, abril 07, 2008

A culpa é das vítimas!


Toda vez é isso, já foi com o Cony, com o Lamarca, e agora é com o Ziraldo. É sempre a mesma celeuma, artigos indignados e inflamados de revistas e jornais contra este abuso, contra a ousadia daquelas sanguessugas. O engraçado, ou melhor dizendo, a “ironia histórica” desta estória é que quanto mais estes mesmos órgãos de imprensa tenham uma folha corrida de favorecimento por parte do regime militar maior é a indignação com as indenizações recebidas por parte das vítimas da ditadura. E lógico que não podíamos esquecer os nossos “liberais democratas” que também fazem seu protestinho contra as vítimas de pleitearem seus direitos.
Para eles, o obsceno não foram as mortes, estupros, torturas e perseguições sofridos pelos opositores do regime. O obsceno foi as vítimas irem a justiça requerer seus direitos. Para os nossos “democratas”, privilégio é receber reparação pelos danos sofridos e não o fato que torturadores, estupradores e assassinos do regime militar andam impunemente pelas ruas, atendem nossos filhos em clínicas médicas ou orientam a polícia.
Hoje sabemos muito bem quem atuou na resistência ao regime militar e que fizeram. Alguns papagaios os chamam de terroristas, chamariam de guerreiros da liberdade se fizessem a mesma coisa que fizeram, mas por outra ideologia. Mas sério, seria interessante saber quem eram os torturadores e assassinos daquela época. Será que aquele tiozinho esquisito era estuprador nos porões do Doi-Codi? Será que aquele médico que atende criança antigamente dizia ao torturador que o torturado ainda agüentava mais um pouco? E aquele oficial da polícia? Estaria ensinado direito as técnicas de interrogação para a polícia conseguir as confissões mais rápido? Onde será que estas pessoas andam? Qual nome delas? Estariam hoje na clandestinidade? São elas que os valorosos “liberais democratas” defendem?
Sabe, existem pessoas que sofreram bastante na mão dos torturadores do regime. E essas pessoas acham que o sofrimento não pode se traduzir em compensação financeira apenas, já que o torturador não pode ir mais para a cadeia. Eu respeito esta decisão, acho completamente válida. Mas acho que é uma decisão íntima e é ridículo querer discutir a moralidade do quanto recebeu a pessoa ou o destino que ela deu a indenização. Ora a carreira era da vítima, o corpo era da vítima não um partido ou de uma corrente política. Elas não devem nada a ninguém, não são elas que têm que se explicar, ao contrário. Como disse anteriormente, acho ridículo querer discutir a moralidade de receber indenização, mas vá lá, isto é entre eles. Mas acho uma canalhice ver pessoas que se omitiram, ou pior, se beneficiaram durante o regime militar, virem a público e ter a cara de pau de querer discutir estas indenizações.
Garanto que até hoje nunca vi alguém mostrar que o Cony ou o Ziraldo mentiram para obter indenização ou fizeram algo desonesto que majorasse o valor dela. Ora se fizeram isso é cadeia, simples assim. A única coisa que eu vi, era eles já eram ricos e não precisavam do dinheiro. Ora isto é de uma estupidez gigantesca. É obvio que eles não fizeram isto por que precisavam do dinheiro. Fizeram isto por que o estado devia isto a eles. Querer falar que eles já eram ricos é um “bolchevismo-de-buteco-de-ocasião ”. Isso mesmo macacada, nossos reaças não têm pudor de bancar o comunista quando precisam.
Se quiserem discutir pensões, por que não vão discutir dos militares que deram o golpe? Aquele bando de velhinho que fica falando besteira no Clube do Exército deveriam estar fora das Forças Armadas a uns quarenta anos por peculato, prevaricação e quebra de hierarquia. E se forem dar uma espiada mais de perto, não ficaria surpreso se encontrasse algumas filhas de oficiais recebendo pensão vitalícia.
É obvio que a concessão deve seguir critérios claros e transparentes, alías como tudo dentro do estado. As irregularidades devem ser denunciadas e combatidas. Mas se você acha que eles estão recebem muito pelo que sofreram e não dorme por causa do estrago que estas indenizações fazem no superávit primário, acha que ta caro? Então faz o seguinte, manda a conta pra Globo, manda para quem financiou a Oban, pro Estadão, pro grupo Folha, pra editora Abril, pra família do Eduardo Gomes, do Costa e Silva, do Golbery, do Lacerda. Tem coragem? É bom ter. Por que bancar o covarde para estas pessoas enquanto banca o valente para as vítimas da ditadura é feio...

8 Comments:

Anonymous  said...

“Então eles não estavam fazendo uma rebelião, mas um investimento." (Millôr Fernandes)

Como gostam de uma teta estatal....

quarta-feira, abril 09, 2008  
Blogger ZEPOVO said...

Olha, muita gente não entendeu a anistia. Os pecados, as atitudes extremadas de ambas as partes podem ser esquecidos, zerados e não se fala mais nisto.
Mas os prejuizos não podem ser desprezados.De um lado carreiras, vidas e empregos foram esfacelados, de outro o pessoal da represão seguiu normalmente com suas carreiras e vidinhas, mediocres ou não, mas não houve nenhuma alteração na profissão que escolheram, nos seus planos de carreira e principalmente nos seus rendimentos. Os repressores não perderam nada em termos financeiros, não foram preteridos para nada, não perderam promoções,não perderam anos de trabalho, tudo muito ao contrário!
É simples assim!

quarta-feira, abril 09, 2008  
Anonymous Gabriel said...

Se a pessoa foi torturada, ou se é da familia de um morto, ou, ainda, se sofreu um prejuizo financeiro irreparavel, acho que a indenização é aceitavel. O que não dá é ver gente que, de fato, não chegou a sofrer um arranhão. Ora, de certa forma todos os brasileiros forma prejudicados com o regime militar. Se no fim das contas a pessoa está normal, saudavel e até bem de vida como Ziraldo e Cony, pra que receber a indenização? Há, sim, uma industria. Eu também sou contra a lei da anistia, esse é o outro lado da moeda. É a pizza da ditadura.

quarta-feira, abril 09, 2008  
Anonymous Daniel said...

Prejuízo? Eles é lucraram com a ditadura, que catapultou um monte de gente para o estrelato!

quarta-feira, abril 09, 2008  
Anonymous claudio said...

Doyle acha absurdas indenizações a anistiados
O jornalista Hélio Doyle, que é um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, subscreveu o documento que circula na internet em repúdio às indenizações de R$ 1,2 milhão para Ziraldo e R$ 1,02 milhão para Jaguar, fundadores do semanário Pasquim, que alegaram terem sido perseguidos pela ditadura. Os demais fundadores do jornal, como Millôr Fernandes, recusaram a mamata. "Entramos na briga por opção política e pessoal, assumindo os riscos", afirma Doyle, que considera tudo isso "realmente vergonhoso". Para o jornalista, cuja trajetória se confunde com a história recente da esquerda brasileira, acha justas as indenizações, "mas por valores bem inferiores a esses que estão sendo pagos", àqueles que perderam seus empregos ou ficaram impossibilitados de trabalhar em decorrência de atos arbitrários da ditadura - ou que foram incapacitados para o trabalho em decorrência de torturas e violências. Perseguido por sua militância de esquerda e certa vez demitido "por motivos políticos" da TV Globo, Hélio Doyle acha que não se enquadra nesses casos, por isso jamais pensou em pedir indenização. "Minhas cinco prisões não impediram que continuasse a trabalhar" - lembra - "Não recebia credencial para cobrir Planalto, Itamaraty ou ministérios militares, mas cobri o Congresso e outros ministérios e isso não prejudicou minha carreira."

quinta-feira, abril 10, 2008  
Blogger Rodrigo said...

Ze

E o que você propõe? Que quem sofreu com a ditatuda vão pra casa e esqueçam o que houve? Que tal então você (sozinho) e Millôr pagarem as indenizações? Não acha imoral alguém usar um veículo que contribuiu, inclusive financeiramente, com as torturas e assassinatos não pagar um centavo pelo que fez e ainda criticar as vítimas por ir a justiça?

Zépovo

Zé, você é sempre bem vindo aqui. Um abraço.

Gabriel

Fala Gabriel! Acho que no caso do Cony e do Ziraldo, eles não fizeram porque precisavam da grana mas sim de justiça e de uma satisfação do estado.

Daniel

É Daniel, até parece que na época eles iam saber como isso ia acabar...

Claudio
O jornalista Hélio fez a opção dele, mas julgar os que decidiram diferente, como eu disse, é besteira

quinta-feira, abril 10, 2008  
Anonymous Brancaleone said...

Opinião? Posso dar a minha sem ser linchado?

Necas de indenização. Cadeia para torturador sim e sem chôro e na cana dura ainda por cima.
Indenização não. Tirando os inocentes torturados, muitos que hoje pedem indenização queriam derrubar o estado que hoje processam!! Tudo bem, eram militares que então mandavam no estado, mas ainda assim é o mesmo estado de hoje, só que com outros chefes...
Ziraldo? Cony? Nem um centavo.
Lamarca? que esteve aqui pertinho de onde estou hoje? Nem um centavo. Entrou na luta armada para matar ou morrer e morreu. Acabou por ai.
Existem casos e casos, mas que tem muita gente se aproveitando, lá isso tem...

terça-feira, maio 06, 2008  
Blogger Rodrigo said...

Claro Brancaleone, claro que pode!
Só me permita discordar um pouco de você. Ninguém queria derrubar Estado nenhum. Queriam sim era derrubar a ditadura militar, oque por sinal é motivo de orgulho.
E o Ziraldo e o Cony? Não podem receber porque? Passar um mês na cadeia por criticar o governo ou ter a carreira arruinada é pouco para você?
Você é contra pagarem a pensão ao Lamarca? E aos militares que apoiaram o golpe? Também é contra? É bom que seja...

terça-feira, maio 13, 2008  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home